Enquete

Quem da dupla Grenal vai se dar melhor em 2021?

Ver resultado

Loading ... Loading ...

Previsão do Tempo


A lição do catador – Sérgio da Silva Almeida

18 de março de 2021 | Arquivado em Opinião | 31 views

Sérgio da Silva Almeida

No domingo, em várias cidades do Brasil ocorreram carreatas em defesa, entre outras pautas, da reabertura do comércio. “A morte de um CNPJ significa a morte de vários CPFs”, alertam os manifestantes.

Desde que foi instalada a pandemia, temos ouvido discussões sobre o que é ou não serviço “essencial”. E muitos, na hora de impor sua interpretação, não estão levando em conta que todo trabalho que leva sustento para a família deve ser considerado essencial. A esse respeito, Luiz Fernando Pacheco, presidente da Câmara de Comércio e Indústria de Santa Maria (Casism), alertou: “Ter emprego garantido, receber salário todo mês, e dizer para os outros que têm que fechar e parar de trabalhar é, no mínimo, não se colocar no lugar do próximo”.

Prover as necessidades básicas da família sem trabalho, sem renda e sem reserva financeira é uma missão quase impossível. Um texto postado pelo amigo Paulo Ribeiro Silva em sua página no Facebook mostra bem isso: “Um amigo me contou que está vivendo dias difíceis sem poder abrir as portas de sua barbearia. O aluguel do prédio está vencido, e ele tão cedo não terá condições de pôr em dia. O pouco de dinheiro que tem entrado é de trabalhos que tem feito a domicílio. Aos domingos, oferece corte de gramas. Já comunicou à esposa que vai colocar o carro à venda”.

As pessoas estão passando por momentos difíceis que não sabemos nada a respeito. Não é hora de ódio, de críticas, de pensar só em si, e sim de respeitar o que o outro está sentido. E se oferecer para ajudar. Outro dia, eu estava no caixa do supermercado e vi um catador de material reciclável na fila segurando dois produtos. Quando paguei as compras, a atendente me informou que faltava dinheiro. Como não levei cartão, devolvi um item, e ela me deu o troco dos demais. Com o troco, paguei os itens do catador. Ele pulou de alegria! E ao me ver saindo, avisou: “O senhor esqueceu um item”. Eu expliquei: “Faltou grana!”. Ele disse à atendente: “Deixa ele levar que eu pago!”. Claro que eu não aceitei e nos despedimos com um “soquinho”. O catador seguiu o seu caminho, puxando seu carrinho abarrotado de papelão e latinhas. E eu voltei para casa com a lição: em tempos de pandemia, mais do que nunca, precisamos nos colocar no lugar do outro.


Mapa do Site

Fale Conosco

Fale conosco

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Mensagem