Na balada

Veja todas as notícias desta categoria


Colunistas


Enquete

Você aposta na classificação dos times gaúchos na Libertadores 2020?

Ver resultado

Loading ... Loading ...

Previsão do Tempo


Valdeci diz que projeto da previdência é privilégio para o sistema financeiro nacional

4 de junho de 2019 | Arquivado em Política | 76 views


Deputado Valdeci esteve em Audiência em Santa Maria

A Assembleia Legislativa promoveu, em Santa Maria, na noite de sexta-feira (31), uma audiência pública para debater o de reforma da previdência apresentado pelo governo federal. A atividade foi uma iniciativa da Comissão Especial da Previdência Pública, órgão integrado por deputados e deputadas de diferentes bancadas e que tem a missão de promover discussões sobre o tema em diferentes regiões do Estado . 
A audiência foi aberta com as exposições técnicas do advogado Átila Moura Abella, contrário à aprovação da reforma, e do economista Felipe Rosa, favorável ao texto proposto pelo governo. Depois, ocorreram manifestações dos deputados estaduais presentes – Valdeci Oliveira (PT), Giuseppe Riesgo (Novo), Pepe Vargas (PT) e Fábio Ostermann (Novo). Os deputados petistas criticaram com vigor o projeto e declararam-se contrários à reforma. Já os dois parlamentares do Novo defenderam a aprovação da medida. 
Para o deputado Valdeci, algumas mudanças na previdência devem ocorrer, mas “a partir de um amplo debate nacional”.  Na visão dele, como está, a reforma interessa apenas ao mercado financeiro. “Só há um setor interessado nesse projeto: o sistema financeiro, aquele que mais lucra nesse país. Mais uma vez, é esse sistema que vai ser privilegiado em detrimento aos mais pobres”, destacou.
O parlamentar também enfatizou que a reforma é “criminosa” contra os trabalhadores em geral, especialmente os do setor rural. “Eu sou oriundo do meio rural. Um agricultor e uma agricultora  trabalham, muitas vezes, 18 a 20 horas por dia e não tem final de semana ou feriado. Essas pessoas serão massacradas pela reforma. É um crime o que vão fazer com as pessoas que colocam comida na mesa da população”, assinalou.
Outro ponto questionado pelo deputado foram os gastos com a “propaganda da reforma” e  as distorções existentes entre o projeto concebido para os trabalhadores em geral e o que foi planejado para a área militar.  “Se é verdade que tem que economizar, por que é que o governo está gastando milhões e milhões em propaganda para iludir a população que a reforma da previdência é positiva? Caso o governo apresentar para todos os trabalhadores do país a mesma proposta (sobre a previdência) que apresentou para os militares, nós, da oposição, votaremos favoravelmente”, disparou ele.
O deputado Pepe Vargas (PT), que preside a Comissão Especial da Previdência na Assembleia Legislativa, lembrou que, no Chile, país que adotou o sistema de capitalização, um dos pilares da reforma de Bolsonaro, a situação dos aposentados hoje é de empobrecimento. “Somos favoráveis a um debate sério sobre a previdência e a necessidade de se fazerem ajustes. Agora, não é isso o que o governo quer fazer. Ele tá querendo fazer um corte de despesas em cima dos mais pobres. Cerca de 87% da economia que o (ministro da Fazenda) Paulo Guedes quer fazer “lasca no lombo dos mais pobres. No Chile, 79% dos aposentados pelo regime de capitalização individual ganham menos de um salário mínimo e 44% vivem abaixo da linha da pobreza. Portanto, não dá para aprovar isso”.
Nos pronunciamentos feitos pelo público presente na audiência, o qual praticamente encheu as galerias da Câmara de Vereadores, a contrariedade à reforma foi a tônica. Dos oito pronunciamentos realizados, seis foram contra e apenas dois favoráveis. O diretor do Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal e do Ministério Público da União (Sintrajufe/RS), Paulo Barbosa Brandão, também defendeu a abertura de um amplo debate com a sociedade brasileira sobre a reforma antes da implementação de reformas. “Dos 30 países que ingressaram no regime de capitalização, 18 já saíram. Antes do governo fazer qualquer coisa, deveria discutir com a sociedade brasileira a questão da previdência. Ao invés de apresentar um projeto, deveria apresentar, por exemplo, os resultados da CPI da Previdência, feita em 2017 pelo Senado Federal e coordenada pelo senador Paulo Paim (PT). Ali estão apontados os caminhos verdadeiros para a reforma da previdência. A renúncia fiscal feita pelo país nos últimos dois anos ultrapassa a casa dos R$ 300 milhões, o que já cobriria o déficit existente da previdência”, declarou.

Texto: Jornalista Tiago Machado (MTE 9415) Fotos: Christiano Ercolani


Mapa do Site

Fale Conosco

Fale conosco

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Mensagem