Enquete

Você acha que o Grêmio consegue esse ano o acesso a Série A?

Ver resultado

Carregando ... Carregando ...
SÃO SEPÉ Tempo

Rússia invade Ucrânia

24 de fevereiro de 2022 | Arquivado em Pelo Mundo | 86 views

(crédito: Anatolii STEPANOV / AFP)

A Rússia iniciou nesta quinta-feira (24/2) um ataque militar em larga escala contra a Ucrânia, país vizinho ao sul, por ordem do presidente russo, Vladimir Putin.

Há relatos de ataques à infraestrutura militar ucraniana em todo o país e de comboios russos chegando de todas as direções.

Em pronunciamento televisionado às 05h55 (horário de Moscou), Putin anunciou uma “operação militar” na região de Donbas, no leste da Ucrânia.

Esta área abriga muitos ucranianos de língua russa. Partes dela foram ocupadas e administradas por rebeldes apoiados pela Rússia desde 2014.

Putin disse que a Rússia estava intervindo como um ato de legítima defesa. A Rússia não queria ocupar a Ucrânia, segundo ele, mas iria desmilitarizar e “desnazificar” o país.

Invasão da Ucrânia: o que Putin quer com a ofensiva russa?

“Os eventos de hoje estão ligados não ao desejo de violar os interesses da Ucrânia e do povo ucraniano. Eles estão ligados aos interesses da própria Rússia em relação àqueles que fizeram a Ucrânia refém e tentam usá-la contra nosso país e seu povo. Repito, nossas ações correspondem à autodefesa de ameaças que criam para nós e de um desastre maior do que estamos vendo atualmente.”

Essa declaração faz parte do discurso feito pelo presidente russo, Vladimir Putin, anunciando a invasão da Ucrânia nesta quinta-feira (24/02).

Mas o que, afinal, Putin pretende com a ofensiva militar em larga escala? As razões por completo não são tão claras, mas há cinco pontos por trás da invasão que vêm sendo levantados pela Rússia, pela Ucrânia e seus aliados, e por especialistas em defesa e política internacional.

São eles: 1. a expansão da Otan (aliança militar liderada pelos Estados Unidos) em países vizinhos à Rússia no Leste Europeu, 2. o conflito entre o governo da Ucrânia e regiões separatistas ucranianas pró-Rússia; 3. a queda do presidente ucraniano pró-Rússia em 2014; 4. os profundos laços históricos entre Rússia e Ucrânia, ambos ex-integrantes da União Soviética; 5. o legado que Putin quer deixar como líder na história da Rússia.

Putin acusa frequentemente a Ucrânia de ser tomada por extremistas (chamados por ele de nazistas em algumas ocasiões), desde que o então presidente ucraniano Viktor Yanukovych, pró-Rússia, foi deposto em 2014, após meses de protestos contra seu governo.

Fonte- BBC.Com

Fumaça preta sobe de um aeroporto militar em Chuguyev, perto de Kharkiv- Aris Messinis / AFP

Mapa do Site

Fale Conosco

Fale conosco

    Nome (obrigatório)

    E-mail (obrigatório)

    Mensagem