Enquete

Qual seu interesse e posição pelas eleições Municipais do ano que vem?

Ver resultado

Loading ... Loading ...

Previsão do Tempo


Doar órgãos é dar continuidade a vida – Sérgio Almeida

14 de março de 2019 | Arquivado em Opinião | 31 views

Sérgio Almeida

Conheci Cecilia na Praia dos Ingleses, em Florianópolis. Ao notar que eu havia visto o cateter permanente implantado na parte inferior do seu abdômen, ela explicou: “Eu faço diálise peritoneal automatizada”. Fiquei olhando para ela com a cara de quem não entendeu nada. Cecilia continuou: “Antes de dormir, eu me conecto a uma máquina cicladora, que atua como um filtro do sangue, removendo excesso de água e toxinas do corpo. Eu sofro de insuficiência renal crônica terminal, e estou há dois anos à espera de um transplante de rim”.

Confesso que fiquei compadecido com a sua dor. Pela primeira vez eu estava frente a frente com alguém que precisava de um transplante de órgão. E, em meu retorno para casa, dentro do carro, falei com Deus: “Jesus, há dois anos Cecilia espera por um transplante. E creio que o Senhor pode dar um jeito nisso”. Acredite se quiser: três dias depois apareceu um doador. Uau, nem acreditei! Cecilia voltou a sorrir, graças ao rim novo.

Quiçá, todos tivessem a mesma sorte. Segundo dados da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), no ano passado, quase 40 mil pessoas aguardavam por um órgão, mas, devido a recusa para doar por parte dos familiares, mais de 1200 perderam a vida na fila. E não foi por falta de apoio, pois o SUS financia 95% dos procedimentos. Além disso, o Brasil possui o maior sistema público de transplantes do mundo, muito graças aos “voos que salvam”. Há 18 anos, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) lançou, com a participação do Ministério da Saúde, o programa “Asas do bem”, que transporta gratuitamente cerca de 9 mil órgãos e tecidos por ano.

Logo, se sua RG ou CNH não consta a expressão de desejo contrário, você é um doador em potencial e o seu “sim” de hoje poderá salvar a vida de mais de 20 pessoas após sua morte. Porém, será necessária a autorização da família. E, como eu ainda não havia decidido se doaria ou não meus órgãos – por falta de informação –, depois que vi a angustia da Cecilia de perto, manifestei meu desejo à minha esposa – e deixo registrado publicamente através desse texto. Além de oferecer partes de mim para que alguns desconhecidos possam viver, alguns desconhecidos oferecerão seu corpo para que eu continue vivendo.


Mapa do Site

Fale Conosco

Fale conosco

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Mensagem