Na balada

Veja todas as notícias desta categoria


Colunistas


Enquete

Você aposta na classificação dos times gaúchos na Libertadores 2020?

Ver resultado

Loading ... Loading ...

Previsão do Tempo


Conheça Zabivaka, o mascote da Copa 2018

9 de junho de 2018 | Arquivado em Geral | 182 views

Um “lobo que irradia diversão, charme e confiança”. Assim a Fifa anunciou Zabivaka, o mascote da Copa do Mundo de 2018. Personagem antropomórfico marrom, que usa óculos laranja e uma camiseta branca com Rússia 2018 escrito em letras garrafais, ele foi apresentado em 21 de outubro de 2016 como sucessor do tatu-bola Fuleco, quando derrotou, com 53% dos votos, um tigre e um gato.

Mais de 1 milhão de pessoas participaram da votação que elegeu o desenho feito pela estudante russa de design Ekaterina Bocharova. Zabikava foi projetado com base em uma pesquisa online aplicada com crianças. Com algumas ideias, estudantes universitários russos enviaram seus projetos do que seria o mascote da Copa do Mundo.

Na língua dos anfitriões, a palavra significa algo como “aquele que marca o gol” e coube a um especialista nesta arte apresentar o novo mascote ao vivo no canal de maior audiência da Rússia. Ronaldo Fenômeno disse, à época, que “mascotes trazem muita alegria aos estádios” e que já se sentia à vontade para dizer que isso iria “acontecer na Rússia só de vê-lo pela primeira vez”.

Divulgação
Divulgação

A imagem do mascote está presente em diversos pontos de Moscou. São muitos os produtos oficiais que levam a imagem do lobo, que vão desde o tradicional bicho de pelúcia  até canecas, bonés, almofadas, gorros, bolsas e chapéus. Há também camisetas estilizadas de alguns países que trazem imagem do mascote. A página do lobo no Facebook tem quase 23 mil seguidores.

Do leão ao lobo: relembre outros mascotes

Fifia.com / Divulgação
Leão Willie, mascote da Copa de 1966, na Inglaterra Fifia.com / Divulgação

A lista de mascotes da Copa começou em 1966, na Inglaterra, com o leão Willie. O animal símbolo do Reino Unido usava camisa com bandeira do país e juba cumprida, ao estilo jovem roqueiro. No pés, as chuteiras indicavam que Willie estava pronto para entrar em campo.

Fifa.com / Divulgação
No México, em 1970, surgiu Juanito MaravillaFifa.com / Divulgação

Quatro anos mais tarde, no México, surgiu o Juanito Maravilla, um menino de sombreiro que vestia uniforme da seleção anfitriã. A dose foi repetida nas duas edições seguintes do Mundial, com os alemães Tipp e Tap, duas crianças sorridentes que seguravam uma bola de futebol e com o argentino Gauchito Mundialito.

Fifa.com / Divulgação
Tipp e Tap são da Copa de 1974, na Alemanha Fifa.com / Divulgação

Os personagens humanizados perderam espaço em 1982, quando a Espanha apresentou Naranjito, uma laranja boleira. O mascote tinha tanto carisma e popularidade que ganhou uma série própria de televisão.

Fifa.com / Divulgação
Gauchito Mundialito, o argentino de 1978Fifa.com / Divulgação

O México voltou a sediar a Copa, em 1986, e optou por uma pimenta batizada de Pique, que tinha corpo verde, cor que, com a camisa vermelha e o calção branco, formavam as cores do país. Em 1990, a Itália apresentou um mascote diferente de tudo o que se tinha visto até então. O Ciao tinha corpo formado por blocos e  uma bola no lugar da cabeça.

Fifa.com / Divulgação
Espanha apresentou Naranjito, uma laranja boleira em 1982Fifa.com / Divulgação

No tetracampeonato do Brasil, em 1994, um simpático cachorro criado pelos estúdios de animação Warner Bros foi bem aceito pelo público e tinha a tarefa e apresentar o futebol aos jovens dos Estados Unidos. Do cão estadunidense ao galo francês: Footix deu sorte a Zidane, Henry e toda equipe francesa em 1998, no único título dos Les Bleus. O nome do mascote era uma mistura de futebol com Asterix, um dos principais personagens dos quadrinhos franceses.

Martin Bernetti / AFP
Fuleco, símbolo da Copa de 2014, no BrasilMartin Bernetti / AFP

Para o Mundial de 2002, que teve Coreia do Sul e Japão como sedes, três criaturas foram mascotes: Kaz, Ato e Nik. Em 2006, na Alemanha, foi a vez do leão Goleo VI representar o torneio. Já em 2010, veio Zakumi, um leopardo.

Sucesso, pelo nome curioso e pela simpatia, o Fuleco, um tatu adolescente de 14 anos, foi uma aposta do esporte como meio de conscientização do meio-ambiente. Na era das redes sociais, o mascote gerou inúmeros memes e agradou nos estádios.

 

Fonte: Gaúcha ZH


Mapa do Site

Fale Conosco

Fale conosco

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Mensagem